Jornal Riogastro


Publicado em 16/04/2018 às 08:00 por Prof. J.F. Penteado



SINDROME METABOLICA

QUE VEM A SER ISSO? QUAL A SUA IMPORTÂNCIA E PREVENÇÃO?

Síndrome metabólica ou plurimetabolica ou síndrome X e se caracteriza por uma associação de fatores de risco para doenças cardiovasculares e diabetes que obriga o pâncreas a fabricar mais insulina.

Não é uma doença mas um conjunto de sintomas, causas e fatores, por ser multifatorial, com muitas entradas e poucas saídas. Incluem-se aí varias patologias tais como obesidade, glicose elevada, resistência a insulina periférica aumentada, hipertensão arterial aumento do perímetro abdominal.

Tudo começa na infância e a relação entre a causa e o efeito pode ser muito longa e a síndrome só se manifestar na fase adulta, muitos anos após sendo muito rara geneticamente é portanto, uma alteração adquirida durante a vida.

Como se pode ver esta síndrome repousa nos distúrbios alimentares e no estilo de vida das pessoas, entrando aí todos os cofatores como a pratica de exercícios físicos, habitação adequada, água tratada, saneamento básico, instrução.

A doença afeta mais os de menor grau de escolaridade desde a educação até a fase adulta. A definição de saúde segundo a OMS, não é a ausência de doença e sim o bem estar físico, emocional e social. Como esses valores estão todos muito baixos no Brasil a sua população é extremamente afetada, logo, a prevenção dessa síndrome tem que estar na orientação aos pais, para começar a controlar o excesso de peso nas crianças, já que se sabe que no Brasil de cada 3 crianças 1 tem sobrepeso e de cada 5 crianças 1 é obesa.

Segundo pesquisa do Ministério da Saúde 18,9 % dos adultos estão obesos. A obesidade é o fator primordial capaz de evoluir e levar ao aparecimento dessa síndrome altamente desagradável para o adulto e para o idoso.

FATORES DE RISCO E DIAGNOSTICO

  • Intolerância a glicose, com glicose na faixa de 100 a 125.
  • Níveis altos de colesterol ruim (LDL) e baixos de colesterol bom (HDL).
  • Aumento dos triglicerídeos.
  • Obesidade especialmente a central ou periférica que deixa o corpo com formato de maçã associada a gordura visceral, ESTEATOSE.
  • Índice de massa corpórea (IMC) e circunferência aumentados (Homens ate 102 e nas mulheres ate 88, de preferência medidas com o paciente deitado).
  • Acido úrico elevado.
  • Processos inflamatórios.
  • Resistência a insulina por causas genéticas.

TRATAMENTO

  • Controle da obesidade com reeducação alimentar, exercícios físicos, exames médicos periódicos.
  • A dieta do Mediterrâneo, rica em gorduras não saturadas e com reduzida ingestão de carboidratos, pode ser uma opção na perda de peso.
  • Evite cigarro e bebidas alcoólicas, que, quando associados aos fatores de risco, agravam muito o quadro da síndrome metabólica.

COMA MENOS E MEXA- SE MAIS!!!

Referências:

  • J.F.PENTEADO: Experiência pessoal

    Drauzio Varella e Maria Helena Varella Bruna, 6/3/18 revisão