Informes Em Destaque


Publicado em 09/06/2018 às 08:00 por Prof. J.F. Penteado



ALIMENTOS FUNCIONAIS

O Que é isso? Mais uma novidade? Um modismo? Uma realidade?

Ha mais de 2.500 anos um lendário médico chamado Hipócrates disse: “que o alimento seja seu medicamento e o medicamento o seu alimento”.

Esta frase atualmente ganhou renovado interesse pelas evidencias cientificas que  escrevem o efeito medicinal dos alimentos, tanto na promoção da saúde quanto na terapia de doenças crônicas não transmissíveis.

Logo, ALIMENTO FUNCIONAL , é todo alimento que beneficie uma ou mais funções no organismo, levando ao bem estar e prevenindo algum tipo de doenças.

Em resumo: podemos de uma forma simplista dizer que o alimento será considerado funcional é capaz de manter a saúde e os seus nutrientes contribuem para a manutenção da fisiologia e reduz riscos de doença.

Será ou seria aquilo que sempre se desejou ao invés de esperar a doença e depois trata-la, que é a medicina curativa ocidental, evitar as doenças através um grupo de alimentos? Durante muito tempo o tipo da medicina utilizada na União Soviética era o da prevenção das doenças.

Inúmeros trabalhos têm mostrado uma relação consistente entre o tipo de dieta e o surgimentos de doenças crônicas não transmissíveis incluindo as cardíacas, cérebro-vasculares, neoplasias, diabetes, doenças ósseas, etc.

O papel da alimentação na prevenção de doenças, está ligado a estilo de vida saudável e longevo e numa velhice útil e saudável.

Principais alimentos funcionais

Flavonoides, fitoestrogenicos, acidos graxos, omega 3, fitoesterois, carotenoides, fibras, prebioticos, probioticos, glicosinolatos, compostos organosulfurados.
De todos esses radicais o mais importante são os Flavonoides pelo seu papel antioxidante, que por sua ação no estresse oxidativo celular impedi o envelhecimento das células.

As principais fontes de flavonoides são: vinho tinto, junto com o suco de uvas, são os mais importantes representantes desse grupo com um papel sobejamente demonstrado como capazes de inibir a oxidação do colesterol, LDL (ruim), impedindo assim a formação de placas coronarianas.

Outros participantes desse grupo são o chá verde e o chocolate que tem uma ação cerebral na cognição e ainda têm a capacidade termogênica que nada mais são que substâncias capazes de aumentar o gasto energético. Esse aumento pode chegar a aumentar e acelerar o metabolismo basal em ate 15% com queima de gordura. Nesse grupo incluem-se o chá verde, café, pimenta vermelha, mostarda e guaraná em pó. Outros como a HESPERIDINA encontrada na laranja e limão tem a capacidade de reduzir a fragilidade vascular participando também como anti-hipertensivo e baixando o LDL e os triglicerídeos.

Outro radical importante é a QUERCETINA encontrada nas plantas como as hortaliças, frutas e ervas com inúmeros efeitos antioxidante, e antialérgico, anti-inflamatório e antiviral.

Por fim, dentro ainda dos flavonoides de pesquisa mais recente aparece o RESVERASTROL encontrado na casca das uvas com propriedades antifúngicas, antioxidantes, antitumorais e antinflamatorias. São os vinhos produzidos a partir das uvas Merlot e Cabernet Sauvignon, aonde estão as maiores fontes de resveratrol com teores médios de 5,06 mg/l encontrados nas uvas europeias e também encontradas no solo brasileiro.

Todas as pesquisas estão agora dirigidas para a ação antitumoral dessa substancia por uma ação que impede a proliferação celular sendo capaz de levar a morte da mesma.
Para finalizar, nos reservamos a analise dos flavonoides que é o grupo mais significativo e importante dos alimentos funcionais entrando os outros componentes como coadjuvantes, que é mais ou menos como no ballet, a primeira bailarina e seu partner que são os artistas principais aqui representados pelos flavonoides e os outros componentes como acompanhantes e mero figurantes.

É muito importante assinalarmos quais as quantidades sugeridas pela Associação Americana Dietética para o uso desse flavonoides: suco de uva ou vinho tinto 250 ml dia, chá verde (catequinas), 4 a 6 xícaras por dia.

Oportunamente analisaremos os outros componentes desse grupo de alimentos.

Referências:

  • Hasser CM: functional foods (J Am DietAssoc 2004, May, 104(5)

  • RobertfroidMB, Concepts and stratgy of functional food science (Am) Clin Nutr2000