Informes Em Destaque


Publicado em 12/09/2019 às 09:00 por Prof. J.F. Penteado



PAPEL E FUNÇÃO DO APARELHO DIGESTIVO

É impressionante o desconhecimento do papel e da importância do Sistema Digestivo no abastecimento e nutrição de todo o organismo. Isso se deve também ao despreparo e a falta que faz o conhecimento do principal elemento que é o responsável por essa função que é o ALIMENTO.
Desconhece-se tudo o que se come ou se ingere e faz-se unicamente por um impulso atávico que vem desde a infância e vai se repetindo por toda a vida. Gosto disso, não gosto daquilo, nunca comi isso, tenho horror desse ou daquele alimento. Mas o que é, o que deve ser ingerido e que quantidade deve ser usada nas diversas fases da vida não é ensinado e muito menos aceito por todos.

Acresce ainda o fato comuníssimo nos consultórios de gastroenterologia, pacientes com histórias dispépticas arrastadas de longa data depois de caracterizada a causa é medicado e 20 dias após, o paciente pergunta: já posso parar de usar a medicação, quanto tempo tenho que usá-la? Isso quando alguém já não indicou medicações.

Cabe-nos perguntar: se toda a nossa vida depende do que comemos, porque todos aqueles que sofrem do coração, da pressão, do diabetes, das doenças do sistema nervoso aceitam e se preocupam em usar “permanentemente” e não querem manter uma arrumação do combustível alimentar durante toda a vida também? Medo do coração, medo da pressão, medo do diabetes, medo da depressão ou ansiedade? E por que não ter também medo também do aparelho mais longo do nosso organismo (cerca de 8 metros), do sistema que transforma todos os alimentos que entram brutos em produtos assimiláveis e abastecedores. O que dizer dos órgãos digestivos que são o filtro, a depuração e a desintoxicação do que respiramos e do que comemos e da função da maior importância que é a excreção das substancias toxicas produto da combustão alimentar. Não dá para entender. Sempre defendemos que a nutrição, essa belíssima especialidade, deveria ser ministrada de uma forma pratica nas escolas primarias e a orientação nutricional muito mais valorizada porque dela depende a sobrevida, a própria vida, a saúde, a longevidade saudável e toda nossa alegria de viver e ser feliz e nos mantém ativos e operosos.

Temos até vergonha de dizer como vários convênios médicos tratam a Nutrição. Não aceitam a cobertura dessa especialidade e quando aceitam pagam quantias ínfimas, vergonhosas para o profissional que a exercem, o NUTRICIONISTA.

 Isso vai mudar? Achamos muito difícil.

Referências:

  • J.F.Penteado